A habilidade de mudar.

by - dezembro 10, 2009


Controle remoto. Para muitos, apenas uma superfície preenchida por botões e números, sem nenhuma serventia, além de trocar os canais de acordo com a conveniência do usuário. BOBAGEM! Gosto de olhar além disso, pensemos por exemplo, como ele serviria num relacionamento. O pause, ah, esse me serviria demais... talvez, para congelar os momentos especiais que só vamos sentir falta mais tarde, depois que a cena passa, aqueles em que é possível sentir o calor da respiração ou a senbilidade traduzida por cada gota de chuva escorrendo pelo rosto... O volume, para diminuir ou aumentar as coisas e pessoas (incluindo tudo que elas dizem e trazem com elas) que desejassem nos imprimir as mais diversas sensações. Diminuir os medos e a rispidez das pessoas e elevar o romantismo ou a sinceridade, de fato, seria perfeito. Os números ajudariam à alterar os nossos destinos de acordo com aquele que fosse mais feliz, engraçado ou mesmo o que nos ensinasse mais, nos mostrasse o 'modo de fazer' uma vida no ponto certo. O stop, para simplesmente cessar. Estancar qualquer dor ou sofrimento que a mudança de canais tenha nos trazido, nos fazer acordar para uma realidade que está fora das telinhas. O menu nos permitiria escolher o melhor ângulo para assistir à tudo isso, a melhor cor para o céu ou quais artifícios deveriam estar presente no nosso filme... O time, serviria para programar quanto tempo gostaríamos de permanecer na mesma função, talvez a vida inteira, no ponto de vista dos românticos... E, finalmente, Ligar e desligar, quando nenhuma dessas outras funções te ajudassem a lembrar de tudo o que já se passou ou a reconstruir um passado que parece ser contínuo, esse nos teria uma serventia fora do comum quando o mundo inteiro exibisse programas cansativos e inúteis e, nos faria perceber que não importa o receptor, as polegadas ou até mesmo o controle remoto que se usa, a vida se passa do lado de fora, não é possível programar nada, recussitar nada e muito menos, permitir-se ver o mesmo filme outra vez.


Programar seria uma forma injusta de antecipar acontecimentos que devemos viver e tiraria toda a graça da surpresa que a vida nos trás, apesar dessas serventias, talvez seja melhor restringí-lo à função de trocar canais.

You May Also Like

3 comentários

  1. Eu tornaria meu mundo perfeitamente chato! rs

    ResponderExcluir
  2. Lembrei do filme "O click" - caso não tenha assistido, retratata exatamente isso. Realmente seria uma vida chata.

    ResponderExcluir
  3. EXISTEM OS UNIVERSOS PARALELOS, PARA ONDE SEMPRE NOS DESLOCAMOS, A CADA DECISÃO QUE TOMAMOS, VIAJANDO A BILHÕES DE KM POR SEGUNDO. LÁ EXISTE UM INCONTÁVEL NÚMERO DE CÓPIAS DE CADA UM DE NÓS E DE TUDO O QUE HÁ AO NOSSO REDOR. QUER MUDAR A SUA REALIDADE? MUDE PARA OUTRO UNIVERSO PARALELO. VC NEM NOTA A MUDANÇA, POIS É A NOSSA MESMA REALIDADE, PORÉM ALTERADA.

    ResponderExcluir

Não vá embora ainda. Divida algo comigo. E obrigada por chegar até aqui! :)