Havia um muro no meio do caminho...

by - julho 28, 2010


Não, ao contrário do que o título dá idéia, não é o muro de Berlim. Mas significa um barreira tão grande quanto ele. Trata-se do quase intransponível medo de amar. Quando uma relação chega ao fim, algo dentro de nós morre, é como se o jardim da vida secasse e tivéssemos que arrancar planta por planta, preparar o terreno e fertilizá-lo novamente. Algumas pessoas não conseguem arrancar o que sobrou do jardim, talvez porque as raízes sejam muito profundas, talvez porque a presença dele tenha se tornado costumeira. Você cuida do jardim, aprende a gostar dele e tolerar seus defeitos, se orgulha dele e, de um dia para o outro, tudo acaba. Ele seca, murcha e não responde mais aos seus cuidados. De fato, é para se chocar, é para demorar a se recompor da queda. Mas o jardim, assim como o coração, é extremamente mutável. Sofre influência das estações, do clima, do tempo, das chuvas, da umidade... E infelizmente, não posso ser otimista ou sonhadora ao dizer que ambos são eternos, porque não são. Não cabe somente à nós cuidar deles, mas também, à quem entregamos o nosso coração ou os cuidados do jardim e, jamais teremos garantia de que essas pessoas saberão se dedicar aos mesmos como nós. Saber que ambos são provisórios e passíveis de falhas deve nos estimular a pensar e agir como eles. Cuidar, amar e se entregar da mesma forma, porém, ao mesmo tempo, preparar-se para que numa possível despedida, as raízes deixadas não se tornem motivos para destruir o nosso jardim interior. O melhor dos amores é o que cultivamos por nós mesmos, o amor-próprio. É uma fonte quase que inesgotável de auto-estima e serenidade. Antes de plantar algo ou de permitir que ervas daninhas se instalem no seu jardim, fertilize- o bastante com o que pode ser tornar seu maior aliado nos assuntos do amor.

You May Also Like

2 comentários

  1. o problema é que geralmente são muitos os jardineiros e impossível todos serem tão cuidadosos né?
    Bons Dias

    ResponderExcluir
  2. perdi a minha amada a dois anos e até hoje ela ainda me persegue na lembrança...

    ResponderExcluir

Não vá embora sem deixar sua marca no meu universo.