Solidão às avessas

by - dezembro 24, 2010

Tudo o que eu procuro é um ombro, um aconchego, um colo que como diria Caio Fernando Abreu: "ninguém dá, mas tudo bem". Tudo bem nada. Tudo péssimo. Por mais que a gente tenha a maioria das coisas as quais considere essenciais para viver e ser feliz, sempre falta alguma coisa. Quando falta um objeto, um compromisso, tudo bem. Mas e quando falta um amor, uma lembrança? E quando a memória fica vazia e o coração cheio de nada? Dá pra dizer que tá tudo bem? Não, não dá. A gente vai enganando o azar e procurando a sorte, tentando viver cada dia como se ele fosse o último da agonia que as ausências trazem. A gente levanta, trabalha, come, dá risadas e faz tudo isso como se por dentro nada demais estivesse acontecendo. E olha que somos convincentes. Daríamos ótimos atores da globo. Mas chega de enganação, de teatrinho. Quando é hora de ficar a sós com nós mesmos, as máscaras caem e as cortinas revelam a parte mais triste do espetáculo: a solidão. Há quem diga que é bom estar sozinho e, bom, quem sou eu pra desmentir? Adoro momentos sozinha, me curtir, me encontrar, ficar fechada no meu universo e pensar, relaxar.. Realmente, nisso a solidão ajuda. Afinal, imagina fazer isso numa balada ultra agitada? Impossível. A solidão é útil sim, mas e quando chega o sábado à noite e ninguém te liga? Quando falta companhia para aquele filme romântico no cinema? E quando os olhos brilham de inveja ou admiração por outro casal que passa na rua? E olha que esses são só os sinais mais óbvios. Você sofre de solidão ào contrário, às avessas. Pode ter mil amigos, mas falta alguma coisa. Pode receber mil convites pra sair ou nenhum, ainda falta alguma coisa. Pode ter um bom emprego, uma família legal, o carro do ano e um guarda-roupa digno de artista, mas ainda falta alguma coisa. Essa coisa que eu não sei dizer o que é, mas me arrisco a chutar que é amor. Muita coisa importante falta nome, mas sobra ausência. Tanto que não cabe em si e transborda. Se for amor, que ao menos não seja próprio. Porque quando ele não existe, qualquer outro tipo de amor é quase que impossível de brotar. Afinal, nenhuma roseira vai querer se instalar num jardim de ervas daninhas.

You May Also Like

1 comentários

  1. nossa, maravilhoso o seu texto!
    espero que do mesmo jeito que a minha solidão, minha falta de amor, carinho esteja passando, a sua passe tambem =)

    ResponderExcluir

Obrigada por chegar até aqui. Não vá embora sem dividir algo comigo.