O mundo não está à sua disposição

by - janeiro 01, 2011


Tem dias em que a gente quer ser um cadeado sem chave. Quer se trancar mesmo e ver se o mundo sentirá nossa falta. Desliga o celular, a cabeça e o coração. Perde o último capítulo da novela, o futebol com os amigos ou aquele cineminha light pra terminar a semana em alto estilo. Deixa passar o aniversário daquele primo de 20º grau que você mal lembra o nome, larga sua rotina, entra no quarto e tira a sua roupa de super-heroína, o sorriso que você estampa 24 horas pra ser aceita e ainda aquela carga burocrática que o trabalho sempre lhe guarda. Joga tudo isso na gaveta, na lixeira ou num liquidificador e deixa lá. Esquece do mundo e de si mesma só pra ver se alguém tem coragem de sentir sua falta. Você quer ficar sozinha, mas no fundo reza interminavelmente pra que alguém depois lhe diga: "você sumiu, senti saudades". Verdade ou mentira? E quando essa fala não vem o coração aperta e a gente se tranca num outro tipo de prisão: a mental. A que nos faz acreditar que somos impiedosamente sozinhos, que precisamos de complementos, que somos parafusos despresíveis e que a sociedade pouco se importa se você morrer, deixar de consumir ou ficar deprimida. E aí você se destranca, abre novamente as janelas e respira o ar de uma cidade recém bombardeada pela sua volta. Alguma diferença? Não. Os carros continuam lá com suas buzinas ensurdecedoras, a chuva continua caindo e o sol voltando, as pessoas continuam andando pra lá e pra cá movimentando seus corpos (mas deixando suas almas estáticas), as crianças continuam brincando enquanto a inocência, os impostos e a violência permitem. E então você percebe que é muito pouco diante da grandeza do mundo, você percebe que sempre se achou grande coisa, que sempre esperou que todos fossem atrás de você e jamais o contrário. Pois é, você descobriu que se não fez a diferença na vida de ninguém, nenhuma memória e nenhum coração te fará eterno. Nem mesmo o seu.

You May Also Like

5 comentários

  1. Sempre me achei grande coisa, até ver que a vida e as pessoas hão de continuar, sempre e sempre, com ou sem mim...

    Feliz 2011 pra vc, Lari... Obrigada pela companhia durante o ano que passou. Que sigamos juntas...!

    ResponderExcluir
  2. Lindo, lindo seu texto! E de grande profundidade tb! Vc me toca!


    Além de sempre fazer comentarios magnificos no meu blog!

    Bjooo

    ResponderExcluir
  3. Muito bom seu post, mas pode ter certeza que você e todos nós fazemos diferença na vida de alguém, talvez ainda nao, mas sempre iremos fazer, e talvez a pessoas na lhe conte isso, mas o importante é viver feliz, sem se preocupar com todos os detalhes, a vida vai nos dando isso aos poucos...

    feliz 2011 =)
    beeeijão!

    ResponderExcluir
  4. Também adoro aqui. :D
    Que belo texto. Quem não nunca parou e pensou dessa maneira? Mas sei-lá, de certa forma é uma coisa boa. Pois os superiores, teentam mudar...Sorrir para o mundo, não se sentir mais sozinho...

    beeeijo linda!
    Um ótimo 2011!

    ResponderExcluir
  5. Amei o post, muito lindoe profundo e pode ter certeza que vc faz a diferença, faz falta pra pessoa que vc menos espera sentir sua ausência.Amei o jeito como vc se expressa,ameio o blog e estou seguindo.Feliz Ano novo pra vc.Bjs

    http://jaquellinee.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Não vá embora sem deixar sua marca no meu universo.