Você é o suficiente?

by - novembro 28, 2011

Para ler ao som de Florence and The Machine - No Light, No Light


Mais do que frenquentemente, sinto medo. Tantas formas de medo que já não consigo contar nos dedos. Tantas formas e manifestações que já não consigo controlar, mas uma têm sido mais frequente, insistente e intensa: o medo de não ser suficiente.
Quantas vezes você se sentiu fazendo o melhor? Várias, eu suponho. Mas quantas vezes as pessoas ao seu redor reconheceram o seu empenho? Raras, talvez. O outro tem dificuldade de enxergar os nossos limites, o nosso espaço de conforto e, portanto, entender quando saímos dessas zonas em prol de algo que queremos.
O outro não tem olho clínico, o outro não vê as nossas motivações a menos que as digamos. O outro pensa que sabe muito, mas conhece muito pouco. O outro é tão enganador quanto esse medo.
Digo isso porque tenho me esforçado. Tenho levantado cedo, pensado, me desconcentrado bastante e tido horror perante 80% da minha vida. E volta e meia, nas minhas indignações instantâneas, o mosquitinho do medo se implanta. Me choco e concluo: não sou o suficiente. Pra mim, pra você, pro mundo. Sempre esperam muito de mim. Ou sempre esperam muito pouco. Ou não esperam nada - o que em determinada ótica pode ser pior ainda. A questão é que nossos esforços parecem não surtir efeitos nas peles e almas anestesiadas dos outros. O outro não entende e nem sequer tenta ou se preocupa em fazê-lo.
Cada dia mais, me sinto uma peça quadrada tentando insistentemente se encaixar nesse imenso círculo chamado mundo, sociedade, senso comum. Porque devo me encaixar? Pra ser o suficiente?
Desde quando ser o suficiente significa algo do qual deva me orgulhar? Não seria mais saudável e menos autodestrutivo cultivar minhas ervas daninhas de egoísmo amor-próprio longe dos autosuficientes?
Sem o outro, talvez não sejamos nada. Mas, frequentemente, somos muito menos com ele. Frequentemente, somos um campo de batalha sendo bombardeado pelos erros e projeções de quem não te conhece, de quem não te mapeou com os olhos - tampouco com o coração.
Você, medo, me explica, porque te sinto? Não sou o suficiente pra você?

Somos todos suficientes para a culpa que carregamos sobre as nossas costas, sobre os frutos da nossa existência, sobre tudo o que cessa enquanto o mundo insiste em girar, tolo e inadequado, ao redor de alguma coisa que também não deve ser o suficiente pra alguém. Muito menos suficiente pra mim.

You May Also Like

1 comentários

Obrigada por chegar até aqui. Não vá embora sem dividir algo comigo.