In dubio pro cuore

by - dezembro 04, 2012





No meu quarto existe um mini quadro branco. É, talvez, meu grande guru da modernidade. Dia após dia guarda as mensagens e pensamentos que carrego como guia, como mantra. Entre frases como “Toda glória é passageira” e “O poder corrompe”, me peguei escrevendo “eu te amo” e desenhando corações ao vento.
Que efeito é este que você causa em mim? Roubaste até mesmo a sabedoria do meu guru. Roubaste o pouco, pouquíssimo de racionalidade e destreza que me restara. Levaste contigo e com este teu sorriso torto cada pedaço de gelo que recobria meu coração. Pobre coitado, agora arde em chamas. Escreve coração no ar. Perde a noção. Flutua. O estômago reclama, se revira em borboletas, mas volta ao normal. Volta quando você volta. Quando você chega, sorri e desfaz qualquer problema. Quando pega na minha mão, ejeta morfina através da pele. Cada centímetro cúbico do meu corpo depende do efeito devastador e maravilhoso que você causa. A dor dá uma pausa. Persiste apenas a sensação de que ‘agora está tudo bem’.
Ah, que sorriso bobo é esse e que charme é esse que ele esconde? Dicionário nenhum explica, cientista nenhum saber dizer. Enquanto isso, paira sobre mim esse bocado de flecha e coração, esse bocado de eu te amo em cada esquina e beijo de bom dia.

Essa doença me pegou em cheio. E agora danou-se porque só tem um remédio, e olha só que clichê descobrir que ele é você. Que clichê. Me fazendo escrever todas essas coisas bobas de amor, e mais ainda me sentir uma boba ao ler o que escrevi. Somos todos bobos. Que seja. Mas só se der pra ser com você.

You May Also Like

0 comentários

Não vá embora ainda. Divida algo comigo. E obrigada por chegar até aqui! :)