Tudo e mais um pouco

by - dezembro 04, 2012

"Talvez porque a alma é grande e a vida pequena,
E todos os gestos não saem do nosso corpo,
E só alcançamos onde o nosso braço chega,
E só vemos até onde chega o nosso olhar."
Álvaro de Campos


E somos limitados. Extremamente limitados. Mas queremos ir a lua e achar tesouro no quintal. E queremos amar sem medida e compor um belo rock'n roll. E queremos subir mil degraus e desenhar castelos de areia. E queremos picolé de morango com gosto de uva e toques de melão. E queremos pôr-do-sol ao meio dia e luar às 6 da manhã. E queremos inverter a ordem das coisas e a desordem das pesssoas. E queremos voar pelos céus alheios, dirigir a própria vida, navegar internamente. E queremos sorvete que não derrete, prece que é sempre ouvida, riso que ecoa no peito. E queremos um coração em chamas e ser o fósforo de pelo menos uma pessoa. E queremos acordar sem olheiras e não nos preocupar com a inflação. E queremos o pãozinho com gosto de comida da mamãe e queremos o colo dela em todo canto que a gente encostar. E queremos Bali, Londres e Florença muito perto no mesmo mapa e queremos que a saudade caiba nesse estreito. E queremos engolir os sapos sem engasgar desaforos. E queremos esconder a culpa que é ser extremamente feliz quando se mostra os dentes num sorriso sincero. E queremos desafiar a nós mesmos todos os dias. E queremos sempre mais. E mais. Tudo ao mesmo tempo. Tudo e mais um pouco. Tudo e nada mais.

Mas dá um pause aí, amigo. A gente é só humano. O nosso querer é cheio de um pesar existencial terrivelmente assombrado pela lembrança que é ser tão limitado.
No fim das contas, limitação é só uma palavra que esqueceu o prefixo em casa.
Volta lá e pega. O nosso querer espera.

You May Also Like

1 comentários

  1. Gosto muito de suas postagens! Essa é uma das quais mais gosto, uma vez ou outra passo por aqui, em seu blog, que Uni.Versos Para.Lê-los. Admiro seu dom com as palavras. :)

    ResponderExcluir

Obrigada por chegar até aqui. Não vá embora sem dividir algo comigo.