O dia em que o sino parou

by - abril 04, 2013


Todos os dias o sino da escola aqui perto toca impreterivelmente ao meio-dia.  Sinaliza, fazendo alarde, que acabou, que todos estão livres, que podem ir tomar seus rumos e construir sua história. Parece que o sino, todos os dias, metaforicamente, me convida a ir junto, a ser livre também.
Mas hoje ele não tocou. As crianças não saíram sorridentes ao encontro dos pais. O barulho das mochilas de carrinho arrastando no chão não foi ouvido. E o silêncio do som da liberdade nunca ecoou tão alto no meu peito. Sem dizer nada, ele me disse tudo: vai, é do lado de lá que estão as coisas!

E subitamente eu entendi que o silêncio do sino queria me dizer que hoje foi ele que parou e não fez o que deveria, amanhã pode ser o meu coração parando e a vida deixando de ser o que era.

Ou vai ver era domingo e ele não deveria mesmo ter tocado...

Certas mensagens a gente só escuta quando está pronto, na hora certa, como o soar de um sino. E aí a gente vai conseguir lê-la em qualquer lugar, em qualquer situação do cotidiano. Tudo se torna a mensagem quando a gente está apto a enxergâ-la. A gente, então, compreende que, mais do que mensageiro, o que grita alto em nós mesmo no silêncio, é a própria mensagem.

You May Also Like

1 comentários

  1. Apressa-te a viver bem e pensa, que cada dia é, por si só, uma vida! alguém me disse isso! hahaha

    ResponderExcluir

Obrigada por chegar até aqui. Não vá embora sem dividir algo comigo.